Categoria: Beleza

Óleos corporais

Óleos corporais

Confesso que não dou muita bola para óleos corporais no verão, não… Mas quando o clima esfria, eles viram meus melhores amigos, haha. Tenho a pele bem seca e, ultimamente, o clima aqui em Curitiba anda gelado, o que faz com que eu sofra um pouco com a pele descamando ou esbranquiçada. Por isso resgatei os óleos corporais que tinha ou ganhei nos últimos tempos e tenho usado muito! E apesar de eles não substituírem o hidratante corporal – já que eles só ajudam a manter a hidratação da pele – pra mim já faz uma super diferença.

E os que eu tenho usado ultimamente são os que estão nesse post aqui – vou falar mais especificamente de cada um deles já já. Além disso, também adoro o mais básico que tem, o óleo de amêndoas da Johnson’s – ele só não entrou no post porque não tenho nenhum no momento e quero usar esses antes de comprar novos. Mas ele está no meu coração também, especialmente pelo custo-benefício.

Procurando indicação de hidratantes para usar no frio? Aqui tem vários!

Leia também: Óleo de Argan pra que serve

O Bio-oil ficou bem famosão ultimamente (tem post só dele aqui) – ele é um óleo que pode ser usado tanto no corpo quanto no rosto e promete hidratar, nutrir e melhorar a aparência da pele com o uso contínuo.

Esse óleo da Souvie eu não conhecia, mas recebi outro dia e já fui testar – ele é orgânico e promete reestruturar o equilíbrio da pele. A composição tem óleos orgânicos de girassol, coco, rosa mosqueta e castanha-do-pará, ricos em vitaminas A, B, C e E. Originalmente ele foi feito especialmente para gestantes – não é meu caso no momento haha, mas uso mesmo assim.

O Huile Tonic da Clarins é um óleo formulado 100% com extratos vegetais – ele promete hidratar e ajuda a firmar, restaurando a elasticidade da pele.

Para terminar o Sève, da Natura, é super famoso também – eles sempre lançam edições diferentes com perfumes gostosos. Esse aí é o de Amêndoas e Frésia. Ele promete pele macia e hidratada por até 24 horas.

óleos corporais

A textura de todos é bem semelhante – uns são mais grossos, como o da Clarins, enquanto outros são um pouco mais fluídos, tipo o Bio-oil, mas não tem muita variação nesse quesito, não.

óleos corporais

Quanto ao perfume, quem ganha de lavada é o da Natura, que tem um perfume bem delícia – acho que esse de frésia talvez seja o que eu mais gostei de todos os da linha que já testei. O que eu menos gosto nesse quesito é o da Souvie – mas não é algo que me incomode, uso normalmente mesmo assim. O que acontece é que, como ele é todo orgânico e natureba, ele tem cheiro dos óleos mesmo, não tem perfume junto, sabem como? Já os outros dois são mais neutros.

Acho que todos deixam a pele macia e dão uma ajuda na hidratação, mas o melhor, para mim é da Clarins. Juro, queria um litro desse, mas infelizmente não será possível porque ele é absurdamente caro, hahaha. Não se pode ter tudo nessa vida – por isso economizo esse potinho mini! De qualquer forma, gosto bastante dos demais também, recomendo todos,

ONDE COMPRAR?
O óleo da Souvie é vendido em farmácias, como na Panvel, por exemplo – o frasco de 90 ml custa R$ 86; o óleo da Clarins e o Bio-oil podem ser encontrados no Beleza na Web – o da Clarins custa R$ 298 por 100 ml e o Bio-oil custa de R$ 36,99 a R$ 79,99, dependendo do tamanho do frasco; por fim, o da Natura, que custa R$ 64,90, pode ser encomendado com consultoras ou adquirido nas loja física ou virtual.

MÁSCARAS FACIAIS: TODAS AS QUE TENHO NO MOMENTO!

MÁSCARAS FACIAIS: TODAS AS QUE TENHO NO MOMENTO!

Se alguém me perguntar agora quais os produtos mais legais e meus favoritos de 2018, não tenho nem dúvida: máscaras faciais! Vocês já sabem que eu amo, uso muito, compro várias e sou louca por uma novidade! Então resolvi reunir todas as que tenho (tinha, na verdade, já usei algumas haha) e mostrar por aqui.

Já resenhamos muuuuita máscara por aqui! Para ver algumas, é só clica aqui.

Leia também: Máscara preta é bom

MÁSCARAS FACIAIS: PRA QUE SERVEM?

Basicamente, o que tem aí em cima são:

Máscaras de Argila: servem para limpar bem o rosto, remover impurezas e resíduos, disfarçar aparência de poros dilatados. Algumas também ajudam na esfoliação ou prometem pele mais viçosa.

Sheet Masks: são as de tecidinho! Podem ser para o rosto, para a região dos olhos, até para mãos e pés. Também têm várias funções diferentes, mas em geral são bem hidratantes. As coreanas gostam de pele bem hidratada, com viço, não mate. Então não adianta usar essas esperando pele matificada, hein?

Peel off: são aquelas que formam um filme sobre o rosto e depois você puxa e vai removendo ela inteira. Algumas grudam mesmo, tipo as de carvão, mas têm opções mais suaves, como a de pepino da Avon. Servem para limpar e purificar.

Modeling mask: são aquelas que vêm MUITO produto. Elas viram meio que uma borracha em cima da pele e depois você também remove inteira. Em geral, são pouco práticas, mas divertidas.

Rubber Mask: são tipo as sheet masks, só que feitas de borracha! É o caso dessa embalagem do bebê amerelo aí em cima haha. Ainda não usei, mas em breve mostro por aqui.

Máscara noturna: em geral têm uma consistência meio de geleia e servem para você passar por cima dos seus tratamentos tradicionais para o rosto. Assim, a máscara ajuda a hidratar a pele ao mesmo tempo que “prende” o produto que você passou antes para que seja absorvido e não evaporado.

E, já que você está por aqui e curte nosso conteúdo, que tal dar um pulinho também no nosso canal do Youtube? Se inscreve lá! Tá tendo vídeo quase todo dia! Além disso, quem sabe você não nos ajuda a chegar aos 200 mil inscritos (sim, aqui já estamos pensando nos 200 hahaha)? <

Mantenha os lábios bonitos e saudáveis no verão

Mantenha os lábios bonitos e saudáveis no verão

Conheça as dicas de especialistas para manter lábios bonitos e saudáveis durante a estação mais quente do ano

Produtos e cuidados para manter lábios bonitos e saudáveis no verão.

Na estação do ano mais esperada pelos brasileiros, hidratar a pele do corpo e rosto não deve ser a única preocupação. Para evitar queimaduras, desidratação e descamação da pele ao redor da boca e manter os lábios bonitos no verão, especialistas recomendam ter sempre à mão produtos como os sticks, bastões hidratantes em formato de batom, disponíveis no mercado de cosméticos

As marcas dos bastões de hidratação labial são diversas. Para não ficar em dúvida, a dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, Aline Vieira recomenda ler a composição dos hidratantes labiais.

“O produto deve conter: ceramidas, óleos vegetais, manteiga de cacau, manteiga de karité, vitaminas D e E, e ou dexpantenol”, diz a médica que acrescenta ainda que o ideal é que os protetores labiais tenham ainda filtro contra os raios ultravioletas (UV).

Entre os produtos para lábios recomendados por Aline Vieira, estão:

Leia também: Lábios ressecados

A hidratação dos lábios no verão
Além dos produtos da indústria de beleza, alguns métodos naturais também são recomendados por dermatologistas. A manteiga de cacau e o óleo de amêndoas são excelentes hidratantes labiais.

“Hidratar os lábios com óleos é bom. O grande problema é que eles são removidos facilmente no dia a dia e também não protegem contra os raio ultravioletas”, orienta a doutora Aline Vieira.

O ideal é reaplicar os produtos naturais várias vezes ao dia ou aplicar à noite, antes de dormir. E lembrar de usar produtos mais específicos para os lábios, que promovem maior durabilidade, penetração do hidratante e proteção contra os raios solares.

Batom na praia não protege os lábios
O uso de batom na praia, hábito comum entre as mulheres vaidosas, não é recomendado por especialistas. “Os batons só bloqueiam parcialmente a penetração da radiação solar. É como se fosse um revestimento físico, uma película que tampa os lábios, mas não filtra os raios ultra-violetas”, explica a dermatologista Aline Vieira.

O ideal, portanto, é aplicar um filtro solar específico para a região. Quando não são protegidos contra a radiação, os lábios podem desenvolver lesões cancerosas.

Tratamentos estéticos longe do sol
Outro aspecto importante sobre os cuidados com os lábios no verão é para quem faz algum tipo de tratamento estético. Tratamentos à base de ácidos e botox não devem ser conciliados com exposição solar.

“Pessoas que estão sob esses tratamentos não podem pegar sol. Seja pelos riscos de reação causados pela exposição solar, mas também pelo envelhecimento e o risco de câncer de mucosa oral”, alerta a dermatologista.

Cuidados com os lábios já danificados
Uma vez que os lábios já estão descamados ou queimados, é preciso redobrar os cuidados.”Uma vez já danificados devemos evitar manipular para não arrancar as “pelinhas” e assim dificultar a cicatrização”, recomenda a dermatologista.

Usar manteiga de cacau ou outro stick de hidratação e proteção labial durante o dia é o recomendado. À noite, a recomendação é uma camada bem espessa da pomada Hipoglós. Segundo a médica Aline Vieira, a pomada Hipoglós é um excelente cicatrizante.

Dependendo dos danos nos lábios, se faz necessário pomadas à base de corticoides e antibióticos. Mas para esse caso é preciso consultar um dermatologista e usar os medicamentos somente com prescrição médica.

ÓLEO CORPORAL: SAIBA COMO USAR DENTRO OU FORA DO BANHO

ÓLEO CORPORAL: SAIBA COMO USAR DENTRO OU FORA DO BANHO

Você sabia que os óleos corporais também entram na lista de opções para hidratar a pele? Com diversas opções de fragrância e textura leve, eles podem ser grandes aliados para um banho mais relaxante e completo.

Leia também:

Óleo de banho é aliado da hidratação: veja mitos e verdades

Proteção solar: é verdade que óleo bronzeia?

Hidratação de banho: veja como fazer uma hidratação express no chuveiro

De acordo com Raquel Toyota, dermatologista da Natura, o mecanismo de hidratação dos óleos se baseia em formar uma película sobre a pele, impedindo a perda de água. No caso do Óleo Trifásico Desodorante Corporal Maracujá Ekos, a alta concentração de ácidos graxos essenciais hidratam e acalmam a pele, suavizando agressões externas provocadas pelo sol e pela poluição.

Leia também: Óleo de rosa mosqueta preço

Dentro e fora do banho
Não há como estabelecer regras sobre como usar os óleos corporais. Por isso é necessário ficar atento ao rótulo para saber quando precisam de enxágue ou não. “Produtos que contém ingredientes com propriedades fotossensibilizantes, por exemplo, têm necessidade de enxague. Por isso, é preciso cuidado ao usar um óleo e se expor ao sol, pois pode causar irritação”, explica Raquel.

Com relação à aplicação, um segredinho se mostra fundamental: é recomendado fazê-la sobre a pele ainda úmida ou molhada. Ou seja, na saída do banho, depois de retirar o excesso de água do corpo com uma toalha, ou então ainda no chuveiro. Isso evita aquele aspecto melecado que faz muita gente dispensar os óleos corporais.

No caso da nossa queridinha linha Sève há opções com e sem enxágue. Todos proporcionam toque aveludado e uma pele mais macia e perfumada. Para a fragrância exclusiva do Óleo Pimenta Rosa, há ainda o benefício de ficar com um toque luminoso. A escolha é toda sua.

Para todo tipo de pele
Para peles mais ressecadas, o ideal é não deixar as loções e cremes de lado. Segundo Raquel, eles têm maior potencial hidratante. “Esse tipo de produto tem ativos específicos que agem por diversos mecanismos para hidratar a pele. Dessa forma, uma pele muito ressecada pode se beneficiar mais”, esclarece a dermatologista.

E se você gosta desse tipo de textura, mas tem medo de arriscar por conta da oleosidade, fique tranquila. O produto certo não tende a aumentar esse efeito. “Isso porque a pele costuma ser mais oleosa no rosto, onde o uso de óleos corporais não é indicado”, finaliza a especialista.

Como repor colágeno

Veja quatro formas de repor o colágeno sem alterar a rotina
Naturalmente presente no organismo, o colágeno é responsável por dar firmeza e elasticidade a pele e cumpre importante papel na constituição de ossos, cartilagens, músculos, cabelos e unhas. Ainda é um grande aliado daqueles que gostam de se cuidar e manter uma aparência bonita e um corpo mais firme, começa a ser produzido em menor quantidade a partir dos 30 anos, atingindo, por exemplo, depois dos 50 anos, apenas 35% do necessário para o organismo.

Sem essa vitamina, o surgimento de rugas, flacidez, fragilidade articular e óssea, além de doenças como osteoartrite, osteoporose e doenças da pele, tanto em homens quanto mulheres podem aparecer. “Mas o que pouca gente sabe é que o colágeno está presente e pode ser estimulado não apenas em cápsulas ou pó, mas também nos alimentos e líquidos que fazem parte do dia a dia”, releva a nutricionista Maria Paula Carlini Cambi.

A profissional recomenda também a ingestão na forma hidrolisada, além de desmistificar o consumo da gelatina. “Reúne açúcares e diversos corantes artificiais, além de pouca proteína”, diz.

Para uma alimentação mais saudável, veja a lista abaixo de alguns alimentos que podem ajudar.

Leia também: Nutren Beauty anvisa

Carnes, peixes e ovos

São fontes de proteínas e de vitaminas B6 e B12. Estão na categoria de alimentos de origem animal e estimulam a produção de colágeno pelo corpo, promovendo o enrijecimento muscular. Além disso, contribuem para a flora intestinal com o metabolismo de carboidratos, aminoácidos e lipídios.

Vitamina C

Reprodução/Pixabay

Alimentos ricos em vitamina C como caju, kiwi, acerola, goiaba, laranja, cenoura e pepino, facilitam a síntese do colágeno pelo corpo, além de serem opções saborosas.

Leia também: Skin renov é bom

Água
Água e colágeno formam a combinação perfeita para um organismo saudável. O colágeno hidrolisado e solúvel tem alto valor proteico e é facilmente absorvido pelo corpo. A Ouro Fino Plus Up, por exemplo, é uma bebida produzida com água mineral natural, enriquecida com colágeno hidrolisado de alta pureza e também com vitaminas B3, B6, B12, C e E. Com apenas duas garrafas é possível fazer a suplementação diária recomendada por especialistas.

Questões sobre Varizes

O que são varizes?
São veias permanentemente dilatadas, tortuosas e sem função.
Sua incidência está em cerca de 15% na população adulta, sendo 3 vezes mais nas mulheres do que nos homens em decorrência de fatores hormonais.
São raras antes dos 14 anos de idade e geralmente, quando ocorrem em crianças, fazem parte de deformidades vasculares congênitas.
A partir da puberdade há aumento progressivo na incidência das varizes, sendo que acima dos 70 anos, cerca de 70% das pessoas apresentam dilatações venosas nos membros inferiores.
A Variz é uma doença hereditária. O indivíduo com propensão genética nasce com menor resistência da parede das veias e essa predisposição, associada a fatores desencadeantes como gestações, obesidade, sedentarismo, profissões que implicam em tempo prolongado em posição ereta (barbeiros, balconistas, porteiros) ou que exigem grandes esforços (estivadores, halterofilistas), favorecem o surgimento das varizes.

Como é feito o seu diagnóstico?
Pelo simples exame clínico, na maioria dos casos, o médico pode identificar as veias varicosas e determinar sua origem, isto é, se primárias ou secundárias.
Os exames complementares ficam restritos a casos em que haja dúvidas, e os testes empregados atualmente são, na maioria dos casos, não invasivos.
O Doppler venoso é um exame de ultrassom realizado no consultório para se avaliar a presença de um bloqueio no sistema venoso profundo.
O Duplex-Scan (Eco-Doppler) também é um exame de ultrassom especialmente construído para o exame dos vasos sanguíneos, que permite, sem a necessidade de injeção de contraste ou irradiação com Raio X, a visualização de obstruções de veias ou artérias.
Quando os exames anteriores são insuficientes para o esclarecimento do caso, emprega-se no sistema venoso para se detectar bloqueios nas veias e avaliar a função das válvulas.

Quais os sistomas mais freqüentes?
Os sintomas das varizes, normalmente são: dor ou desconforto nas pernas em posição ereta.
Nos casos mais avançados pode aparecer edema (inchaço) nas pernas, que se acentua no final da tarde, causando desconforto nas pernas.

Quais são os tipos de varizes?
As varizes podem ser classificadas em dois tipos: primárias (essenciais) e secundárias.
As primárias constituem a maioria das varizes vistas na prática médica. Elas decorrem de fatores hereditários, são genéticas e associadas aos fatores desencadeantes
(gestação, profissões que requeiram longos períodos em pé).
É relativamente freqüente a associação de varizes com outros problemas tidos como hereditários, tais como pés planos, hemorróidas, hérnias e outros.
As varizes secundárias decorrem, em geral, da obstrução das veias profundas (principais) causadas por um processo de tromboflebite.

Varizes e Gestantes:
A gestação é o fator desencadeante mais importante e que faz com que a incidência das varizes predomine nas mulheres. Nessa condição, além das alterações hormonais que ocorrem durante todo o período de gravidez, na segunda metade da gestação há aumento da pressão nas veias das pernas devido à compressão do útero.
Se esse aumento de pressão não for suficiente para provocar dilatação permanente, as veias voltam ao seu calibre inicial após o parto. Isto costuma ocorrer após a primeira gestação; no entanto, com as gestações sucessivas, as veias tendem a se dilatar, tornando-se varicosas e assim permanecem após os partos.

Tratamento para varizes:
As varizes dos membros inferiores podem ser tratadas por métodos clínicos ou cirúrgicos.
Não existe tratamento medicamentoso para as varizes.
Os chamados medicamentos flebotrópicos somente aliviam a sensação de peso e cansaço nas pernas, porém não tem nenhum efeito preventivo ou curativo nas veias varicosas.
O tratamento clínico consiste em quatro itens:
• utilização de compressão elástica;
• exercício físico regrado;
• evitar longos períodos em posição ereta;
• perda de peso, se necessário.
A compressão elástica com meias ou bandagens visa comprimir as veias insuficientes, retirando o excesso de sangue do seu interior e evitando o edema de pernas.
Para maiores informações, consulte um angiologista ou um cirurgião vascular.

Leia também: Varicell funciona

Quais são as principais complicações das varizes?
São cinco as principais complicações das varizes dos membros inferiores:
• tromboflebite superficial;
• sangramento pelas veias varicosas (varicorragia);
• hiperpigmentação (manchas escuras da pele);
• eczema; e
• úlcera (ferida) de pele (úlcera varicosa).
A tromboflebite superficial consiste na inflamação da parede da veia com formação de coágulos no seu interior. A veia torna-se endurecida, avermelhada, quente e muito dolorosa, impedindo o paciente de andar adequadamente. Em geral não existe maior gravidade, constituindo apenas uma complicação incomodativa do doente. No entanto, quando ela ocorre nas veias safenas, pode apresentar maior gravidade pela possibilidade de originar embolia pulmonar.
A varicorragia consiste no sangramento por rompimento de uma veia varicosa. Em geral ocorre naquelas dilatações venosas bem superficiais, com parede muito fina.
É ocasionada por traumas; mesmo pequenos traumatismos, aqueles quase nunca percebidos, pelo simples roçar da perna em alguma estrutura rígida, podem provocar ruptura da veia.
A hiperpigmentação da pela (manchas) ocorre em casos crônicos. Localizam-se nas pernas, no seu terço inferior ou sobre trajetos venosos varicosados. Não causam dor, mas particularmente em mulheres, interferem na estética da perna e, para desventura delas, não desaparecem após a operação das varizes.
O eczema varicoso caracteriza-se por lesão avermelhada e descamativa na pele das pernas, acompanhada de prurido (coceira). Em geral se acentua com o uso de pomadas a base de antibióticos ou sulfa, que intensificam a reação alérgica, podendo, em alguns casos, tornar o eczema disseminado por todo o organismo.
A úlcera varicosaé a complicação mais grave das varizes. Na grande maioria das vezes, ela se localiza no terço inferior da perna, na parte interna, junto ao tornozelo. Podem surgir após leves traumatismos que, em indivíduos não varicosos, não teriam maiores consequências.
Tornam-se particularmente dolorosas quando se infectam e são de difícil cicatrização.

Existem varizes internas?
Não. As varizes são sempre visíveis e palpáveis.
Algumas pessoas que apresentam dores nas pernas (causadas por diversos fatores), atribuem as dores às varizes.
Como não apresentam varizes visíveis, constumam dizer que têm varizes internas.

O que são vasinhos?
Os vasinhos são chamados de Teleangiectasias e nunca se tornam varizes.
O único tratamento aceito na atualidade, sem efeitos colaterais e com ótimos resultados é a escleroterapia que consiste na injeção de substâncias irritantes dentro deles com a finalidade de eliminá-los. O método a Laser para o tratamento de “vasinhos” é no momento inadequado. Já foi testado, e comparando-o ao método convencional, revelou-se menos eficaz e mais caro, provocando manchas irreversíveis na pele.
Atualmente não é aceito pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Vascular.
Existe um outro método para tratar os “vasinhos” que alguns poucos especialistas estão usando.
Trata-se de um aparelho chamado Photoderm, que consiste em queimar os “vasinhos” com um feixe de luz apropriado. A dificuldade maior no uso desse aparelho é sua regulagem, pois cada tipo de pele exige emissão de luz específica. Trata-se de um método promissor que, no entanto, necessita de melhor avaliação nos seus resultados para poder ser indicado.

Colágeno: o que é, para que serve, como age e suplementos

Colágeno: o que é, para que serve, como age e suplementos

Rejuvenescimento, renovação de cartilagem, ficar sem rugas, manter a pele lisa e hidratada — estas são só algumas das palavras que aparecem quando pesquisamos sobre os benefícios do colágeno.

Por isso muita gente aposta em consumir suplementos, cremes e tratamentos estéticos com a proteína, na esperança de que o corpo a absorva e, consequentemente, ajude a evitar o envelhecimento da pele, principalmente. Mas será que realmente são eficazes para esses fins?

Entenda o que é, para que serve e como funciona essa proteína no nosso organismo.

Colágeno
Para que ele serve
O colágeno é um tipo de proteína que produzimos, responsável por estruturar os tecidos conjuntivos de animais e está na pele, tendões, ligamentos, artérias e ossos. É formado por uma sequência de aminoácidos — estruturas menores para que o organismo consiga absorver os nutrientes. “O colágeno constitui de 20% a 30% das proteínas no corpo. Porém, com o avançar da idade, a sua produção vai diminuindo. Esse desgaste é potencializado pelo estilo de vida: excesso de sol, poluição, tabagismo, álcool, vida estressante são alguns dos comportamentos que ajudam a diminuir a produção desta proteína”, explica a dermatologista Renata Marques, dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Como aumentar a produção de colágeno
A alimentação adequada é o principal meio para construir as proteínas. Porém, não quer dizer que consumir colágeno irá produzir mais colágeno. “A cadeia de colágeno é construída por meio de uma reação química que precisa de vitamina C para ajudar no aumento de oxigênio que acontece dentro das células. Por isso que adicionamos limão no peixe, por exemplo, pois é uma excelente forma de oferecer todos os substratos que o corpo precisa para formar mais colágeno”, continua a especialista.

Na pele
Há muitos cremes à base de colágeno nas prateleiras das farmácias e lojas especializadas, mas infelizmente esse tipo de produto não ajuda muito. “O que regula a produção do colágeno é uma série de fatores endógenos, como a secreção de hormônios (gh, testosterona, estrogênio), entre outros fatores fisiológicos.

Leia também: Colágeno tipo 3 e 1

Priscila Riciardi, nutricionista funcional, explica que há dois tipos de colágeno. Um possui a função de manter a firmeza e elasticidade da pele (peptídeos de colágeno), enquanto que o outro atua nas articulações e no intestino. Se você busca obter colágeno por meio da alimentação, fique atento à escolha dos alimentos. “A gelatina não funciona, ainda mais se for com sabor e açúcar. Açúcar e corante são muito inflamatórios e destroem o colágeno”, alerta Riciardi. E sugere uma solução para os vegetarianos. “Uma boa alternativa para consumir o colágeno é usar o pólen de coco. O feijão com limão também ajuda, já que é fonte de silício e vitamina C”, ensina.

O colágeno hidrolisado
Se você já leu o rótulo de um suplemento de colágeno, provavelmente se deparou com o termo “colágeno hidrolisado”. Isso quer dizer que ele passou pelo processo de hidrólise, que quebra a proteína antes para ajudar na absorção mais rápida pelo organismo. Porém, como dito acima, estimular a produção de colágeno não é uma garantia de sucesso.

Leia também: Skin renov

Quando se trata de alimentos e suplementos, supor que algo que você come se transforma na mesma coisa em seu corpo é um erro. Os processos químicos e biológicos que acontecem no organismo transformam tudo. No caso do colágeno, ele se transforma em aminoácidos.

Alternativas para melhorar o colágeno no organismo são outras: a suplementação de vitamina C, licopeno e minerais, que ajudam na otimização da resposta da pele às técnicas de estímulo de produção da substância.

O que a ciência diz sobre o colágeno
Uma pesquisa ligou alguns peptídeos de colágeno à redução das rugas da pele e à pele mais saudável. Então é possível que alguma nova descoberta possa explicar essas evidências no futuro. Mas ainda há muito mais perguntas do que respostas. Embora o colágeno seja estruturalmente importante, é uma molécula de proteína muito grande para passar pela barreira da pele. Segundo Jonathan Hadgraft, professor de Farmácia da Universidade de Londres, há uma crença popular de que a pele absorve 60% dos cremes, mas a verdade é que a maior parte do creme fica na superfície. Se penetrasse na pele e chegasse à corrente sanguínea, o colágeno seria classificado como remédio.

Porém, um estudo de 2017, publicado no Journal of Agriculture and Food Chemistry, mostrou que o colágeno hidrolisado pode ser transferido diretamente para a pele por meio da corrente sanguínea. Porém, todos os estudos que tiveram resultados positivos quanto ao uso dos suplementos foram feitos com poucas pessoas e são pesquisas de curto prazo, por isso são vistos com cautela por especialistas.

Colágeno para atletas
Uma metanálise de 2018 analisou o efeito do colágeno hidrolisado para ajudar a tratar a dor articular em atletas e naqueles que sofrem de osteoartrite. Publicada no British Journal of Sports Medicine, a pesquisa examinou vários suplementos usados ​​para osteoartrite e identificou o colágeno como um dos que “demonstrou efeitos clinicamente importantes para a redução da dor a médio prazo”. No entanto, a longo prazo, os suplementos parecem não ajudar mais do que um placebo.

Leia também: Colágeno tipo 3 e 1

Estimular a produção de colágeno por meio de hábitos saudáveis e alimentação parece ser mais efetivo

Suplementos e alimentos
“A alimentação adequada já fornece a quantidade certa de aminoácidos para formação do colágeno. A suplementação só é necessária nos casos de alimentação inadequada. Mesmo assim, não existem estudos sobre o colágeno até o momento que mostrem que ele possa evitar flacidez ou rugas”, afirma a dermatologista. Por isso, para ela, é melhor investir nos alimentos ricos em vitaminas A, B, C, E, K — que vão estimular a produção de colágeno e colaborar para uma pele mais bonita.

Brócolis, batata-doce, laranja, avocado, espinafre, pimentas, azeite de oliva, leite e derivados, beterraba, pepino e feijões são alguns dos alimentos que oferecem aminoácidos e ácido ascórbico, necessários para a fabricação de colágeno pelo corpo.

Estilo de vida
Mas, vale o aviso: se você for dar uma chance ao colágeno, não vale apostar apenas nele. Escolhas de estilo de vida também danificam a produção da proteína e podem potencializar os danos do envelhecimento: tabagismo, açúcar elevado no sangue, exposição exagerada ao sol, sedentarismo e ganho de peso são alguns dos hábitos que prejudicam a produção de colágeno.

Além disso, “para dores articulares é extremamente importante trabalhar com uma dieta anti-inflamatória e com um especialista que trabalhe a questão da absorção de nutrientes, da permeabilidade do intestino”, avisa Riciardi. Por isso, antes de suplementar, procure um especialista.

Colágeno Hidrolisado e Natural, Conheça os Benefícios

Colágeno Hidrolisado e Natural, Conheça os Benefícios

O colágeno é encontrado em alimentos como caldo de osso, e dentre seus principais benefícios está a melhora na saúde e aparência da nossa pele, por exemplo. Tanto o colágeno hidrolisado como o colágeno natural (gelatina) provêm da cozedura de ossos, peles e cascos de animais. As fontes dietéticas de uma gelatina de qualidade fornecem uma gama de nutrientes, mas seu consumo quase desapareceu na dieta moderna, apesar das gerações passadas terem consumido amplamente caldos, sopas e molhos com gelatina. Tais fontes de colágeno não somente são saborosa, como garantem uma refeição com perfil nutricional adequado.

O que é o melhor Colágeno Hidrolisado?
O colágeno hidrolisado nada mais é do que um suplemento dietético. Ele é essencialmente gelatina, pois é capaz de proporcionar todos os benefícios que a gelatina oferece. Entretanto, ele é processado de uma forma que se dissolve em líquidos frios e quentes sem sofrer o processo de gelificação, sendo absorvido pelo organismo de forma mais rápida.

Colágeno Hidrolisado Vs. Colágeno Natural (Gelatina)
Tanto o colágeno hidrolisado como o colágeno natural (gelatina) são obtidos do mesmo ingrediente, o colágeno da carne bovina ou suína. Os dois produtos apresentam o mesmo perfil de aminoácidos. A diferença principal entre o colágeno hidrolisado e o colágeno natural é que o hidrolisado é mais facilmente absorvido e assimilado, já que ele não gelifica. Por outro lado, a gelatina pode ser usada em diversos pratos, como caldo de mocotó, gelatinas e pudins.

Colágeno Hidrolisado e Natural, Conheça os Benefícios
Ajuda a Equilibrar Hormônios: dos aminoácidos presentes no colágeno hidrolisado e na gelatina, 35% é glicina e 21% é prolina e hidroprolina. Tanto o colágeno hidrolisado como o natural são igualmente importantes, e os dois carecem do aminoácido triptofano. A alta porcentagem de glicina e prolina, assim como a falta de triptofano, ajudam no equilíbrio da ingestão de grandes quantidades de cisteína e triptofano presentes nas carnes musculares. Quando equilibrados, os aminoácidos desempenham um importante papel na taxa metabólica, função da tireoide e produção de hormônios.

Uma vez que a gelatina não contém triptofano e pequenas quantidades de metionina, cisteína e histidina, ela pode ser consumida principalmente como proteína dietética, restringindo o consumo de aminoácidos que estão associados a diversos problemas de envelhecimento. Uma colher de sopa de colágeno hidrolisado fornece 7 gramas de gelatina.

Por ajudar a manter o triptofano equilibrado, a gelatina reduz o estresse metabólico do cortisol e contribui para a saúde da tireoide. Como o metabolismo e a tireoide andam de mãos dadas, a gelatina é capaz de aumentar o metabolismo, melhorando assim a função da tireoide.

Consumir quantidades equilibradas de gelatina pode desempenhar ações anti-stress, já que a glicina é um neurotransmissor inibitório, capaz de promover o sono natural. Quanto consumida em forma de suplemento, a glicina ainda ajuda a promover a recuperação de convulsões e derrames, melhorando a memória e a aprendizagem. Além disso, aparentemente ela desempenha a mesma ação calmante e anti-stress em todos os tipos de células.

Melhora a digestão: o caldo de ossos é fonte de coloides hidrofílicos em forma de gelatina, e os alimentos crus tendem a ser hidrofílicos, misturando-se facilmente aos sucos digestivos e contribuindo para uma digestão mais eficiente. Entretanto, ao se cozinhar os alimentos, muitas vezes acaba-se criando coloides hidrofóbicos, capazes de repelir o suco digestivo no estomago. Pelo colágeno hidrolisado e o colágeno natural permanecerem hidrofílicos, mesmo quando aquecidos, acabam ajudando na digestão dos alimentos cozidos.

É essencial para o corpo: o colágeno beneficia toda a estrutura dos tecidos, desde unhas, cabelo, pele, músculos, cartilagens e tendões a até mesmo as paredes dos vasos sanguíneos. A deficiência de colágeno, por sua vez, leva ao envelhecimento precoce, flacidez e problemas visuais, enfraquecimento muscular, problemas com os tendões, ossos e cartilagens, como a artrose, a artrite e a osteoporose. Em casos mais graves, pode ocorrer a flacidez dos vasos sanguíneos, aumentando assim os problemas circulatórios e cardíacos.

Contribui para a elasticidade, regeneração e hidratação da pele: o consumo de colágeno é importantíssimo para a pele, pois confere firmeza e resistência à mesma. O colágeno também ajuda a regenerar e hidratar a pele, ajudando na prevenção das rugas.

Fortalece as unhas e os cabelos: por serem formados principalmente por proteínas, os cabelos e unhas são bastante beneficiados pelo colágeno, pois esta proteína ajuda na manutenção da estrutura das unhas e fios de cabelo, conferindo resistência e brilho a eles.

Aumenta a resistência dos ligamentos, tendões e cartilagens: o colágeno é a principal proteína de tais estruturas, sendo essencial para o fortalecimento e manutenção delas. A suplementação com colágeno hidrolisado é recomendada especialmente para os atletas.

Contribui para o emagrecimento: o consumo de colágeno hidrolisado em pó 30 ou 60 minutos antes das principais refeições contribui para o aumento da saciedade, ajudando no controle do apetite. Outro benefício do colágeno é que ele favorece o aumento da massa muscular naqueles que praticam atividades físicas, além de combater a flacidez da pele.

Ajuda a tratar a artrose: os benefícios do colágeno hidrolisado para pessoas que sofrem de artrose são reconhecidos pela medicina. O colágeno ajuda a melhorar a cartilagem de tais indivíduos, principalmente no início da doença.

Fontes de Colágeno
Há diversos alimentos que são fonte de colágeno, e seus consumos contribuem para a síntese de colágeno por parte do nosso organismo. Fontes de colágeno incluem as carnes vermelhas, carnes de aves, a clara do ovo, os peixes e os laticínios. A soja, a ervilha, a quinoa e a combinação de arroz e feijão também são excelentes fontes de proteínas, que podem contribuir para a produção de colágeno. A gelatina, tão falada no artigo, quando consumida regularmente pode estimular a síntese do colágeno.

Leia também: Skin renov preço

O colágeno hidrolisado também é uma excelente fonte, já que é a versão mais bio disponível de colágeno. Os suplementos alimentares à base de colágeno, seja em forma de bala ou pó, também são uma boa opção para se consumir colágeno.

Consumo Diário de Colágeno
Para que todos os benefícios do colágeno natural sejam usufruídos, é recomendado o consumo diário de 10 gramas de colágeno hidrolisado, seja de colágeno em pó, seja em forma de cápsulas. O consumo regular de gelatina também é indicado para aqueles que querem usufruir dos benefícios do colágeno.